#48 – 2ª Corrida do Bem-Estar

Mais uma corrida de rua em Sobral este ano. Quinze dias depois da prova do SESC, a 2ª Corrida do Bem-Estar, promovida pela Sprint Training Assessoria e a Vip Training Academia.

Inscrições abertas desde julho, eu acho. Demorei um pouquinho para me inscrever, mas ainda consegui pelo valor de R$ 50,00. Inscrições na Vip (academia). Percursos de 3km, 5km e 10km, sendo que o de 3km era corrida mesmo, e não caminhada, como temos visto ultimamente.

Como sempre, nos eventos da Sprint, sem cronometragem. A ideia é correr sem o componente da disputa. A competição fica de cada um consigo mesmo. Há quem goste, há quem não goste. Eu acho legal.

Depois da última corrida, o professor Celso Luís atualizou a planilha. O negócio ficou cascudo! Tiros de 800m, 1000m… Longões de 24k, 26k… Tudo isso já visando as provas da Unimed (21k em outubro) – ou Terra da Luz (21k em novembro) – e os 24k de Meruoca (subida, UpHill) em dezembro. Sendo assim, esta prova iria entrar como complemento do treino longo da semana, previsto para 26k.

Talvez em decorrência dos treinos mais pesados, senti um aviso na coxa no treino de terça ao tentar puxar mais um pouquinho. Mas já na quinta, conseguimos fazer um ótimo treino em equipe na Vila Olímpica. Foram 10 tiros de 800m com pace aproximado de 4’30”. Foi massa!

Jailson (esq.), eu, André Melo e Robertson fizemos o treino de tiros juntos na quinta. Todo mundo na mesma toada. Fomos chamados de Menudos neste dia.

No sábado, estava pronto pra fazer os 16k. Mas ai, Jailson começou dizendo que ia fazer logo os 26k e ficou insultando, querendo companhia pelo menos por 20k. Pra acabar de completar, Camilla também foi pra esse treino. Lá pelo oitavo quilômetro, já me preparando para o retorno, pergunto: “Camilla, bora fazer 20?”. Pense numa pergunta besta, sem a menor necessidade! “Booooooora”. Olhei pro André e ele também disse: “bora, nesse ritmo aqui tá tranquilo”. O chefe vai ficar bravo, pensei. Mas fizemos os 20k.

Jailson, Camilla, André e eu. De Menudos (quinta) para Rebeldes (sábado).

Depois desse também ótimo treino – fiz 20k em menos de 2h, recorde! – fomos, JC e eu, pegar o kit na academia. Encontrei o Aurélio Gabriel, futuro “cavalo” e uma coisa que achei super legal, de verdade: Mauro, da MB Sports, outra assessoria de corrida de Sobral, com ponto de venda da Corrida MB, que acontece em 14 de outubro. Mais do que isso: dando uma força na entrega dos kits. Fico feliz em ver que embora atuem no mesmo segmento, não há razão para isolamento. Parabéns MB e Sprint.

Eu e o Aurélio. Sou sempre muito simpático, segundo ele.

O restante do sábado foi para curtir a família. Um açaí no final da tarde para refrescar e depois de mais alguns episódios de Era uma vez…, cama. Às 4h30 do domingo estava de pé e sai por volta das 5h15.

Chegando ao local da concentração, percebi que tinha esquecido o cronômetro e a pochete pra colocar o celular. Jailson, que deveria ter ido correr para pelo menos marcar o tempo e a distância, não foi. Só pensa em maratona. Sendo assim, ia ser no “acho”.

Nas proximidades do pórtico de largada, algumas estruturas ainda sendo montadas, mas a ambulância já estava a postos. E o melhor de tudo: céu nublado. Isso em Sobral na divisa de setembro e outubro é algo que emociona.

Alongamento conduzido pelo professor William Silva, depois uma corridinha de migué pra servir de aquecimento e fui para a largada. Ficamos ali conversando eu, Robertson, Kelton, mais alguns e sem perceber estávamos no local onde geralmente ficam os quenianos ou, melhor dizendo, os canelas secas do “pelotão de elite”.

Pelotão Quênia!

Wladir começou a fazer a contagem regressiva de 10 a 1, tipo lançamento de foguete, e lá vamos nós fazer o percurso que geralmente fazemos às terças: Centro de Convenções – Igreja Nossa Senhora de Fátima – Centro de Convenções.

Robertson, que tá um jato, partiu e abriu. Eu senti um pouco o cansaço do dia anterior e com medo de vir lesão ou câimbra, segurei um pouco. Foi quando a galera começou a passar. Sem problemas, pensei eu. Vamos correr do jeito que for possível e pronto.

Próximo ao Parque da Cidade. Logo depois do trecho de pedras que eu taaaaanto gosto. Foto: Alexandre Frota (Amaral) – Arretado.com

No cruzamento da Diogo Gomes com a Av. Ildefonso de Holanda Cavalcante, retorno da turma dos 3km e um pouco mais a frente, por volta do quilômetro dois, primeiro posto de hidratação. Geladinha, a água, e membro do staff gentil, entregando o copo na mão.

Próximo ao Arco. Foto: Alexandre Frota (Amaral) – Arretado.com

Chegando ao Arco, segundo ponto de hidratação. Igualzinho ao primeiro –  e foi assim em todos os outros, já adianto. Logo mais a frente, retorno para os corredores de 5km. Daí pra frente, o trecho mais plano da prova e foi quando pareceu que a maior parte dos corredores estava inscrita nos 10km. Bastante gente!

Só então meu corpo começou a despertar, o cansaço ficou meio de lado e deu para imprimir um ritmo parecido com o da terça.

No retorno dos 10km, deu pra ter uma noção melhor de quanta gente estava nesta distância. Não lembro de uma corrida em que eu cumprimentei tanta gente. Não que esta fosse a prova com mais corredores, mas pelo menos foi a que eu mais conhecia os que ali estavam :).  Prestei contas com alguns que tinham me passado no início e consegui segurar até o final da prova num ritmo mais forte. Sem dores, sem fisgadas e mais seguro, pois ultimamente até dormindo eu tava tendo problema.

É bom demais ver a cidade em movimento. Não apenas os que estavam correndo, mas os que passavam e observavam o que nós estávamos fazendo. Até os motoristas estavam mais tranquilos, hoje. Pelo menos eu não presenciei nenhuma atrocidade. No entanto, houve roubo de cones! Caramba! Deve ser algum eleitor que quer banir a corrupção do país, ai começou banindo os cones da prova…

Finalizando os 30k iniciados no sábado. Ufa! Foto: Alexandre Frota (Amaral) – Arretado.com

Cruzei a linha de chegada, uma boa turma da Sprint já estava lá, o Amaral registrou tudo – quando as fotos forem postadas eu atualizo -e o  Wladir era o mestre de cerimônias. Felizmente não trocou meu nome, mas disse assim: “Ai vem o Márcio Sangue!!!”. Eu nem gosto de sangue… Sou paz e amor!

Procurei o Robertson e perguntei o tempo dele. Em seguida, fui ver quem estava chegando e vi a Grazi. Perguntei seu tempo. Fazendo uma estimativa, devo ter feito em torno de 58 minutos, para 10.6km. Muito bom!

Já fui recebendo minha medalha e depois, lanche. Mais algumas fotos com os companheiros de assessoria e esperamos o sorteio. Doido pra ganhar um brinde da Eu Quero Correr… Mas nas fotos, depois todos verão eu com a chave de um Prios/Toyota na mão. Quero ver alguém dizer que eu não ganho nada correndo, agora!

Agora diga que eu num ganho nada correndo!? Foto: Alexandre Frota (Amaral) – Arretado.com

E foi assim, massa! Parabéns à Sprint pela organização da corrida e por ter conseguido vários apoiadores mesmo com tantos eventos em nossa cidade em um curto espaço de tempo. Corrida excelente! Hidratação perfeita, água geladinha, staff realizando um bom trabalho e os sorteios pós-prova são muito legais. Assim como as massagens, degustações e brindes dos patrocinadores.

Próximo desafio: Corrida da MB, 14 de outubro, novamente em Sobral.

Resumo da prova:

Kit: Camisa, viseira da FISK, número de peito e garrafinha.  Custo de R$ 60,00 (primeiro lote) à R$ 80,00 (terceiro lote). Para corredores da Sprint, R$ 50,00.
Balizamento: Ok, na medida. Apesar do furto de cones, a quantidade de corredores e menor trânsito facilitaram as coisas.
Ambulância: Ok, presente.
Hidratação: Ok, na medida. Sempre geladinha.
Lanche pós-prova: Ok: Banana, melancia, laranja e paçoquinha.
Medalha: “Metal”, no formato da logo da corrida.
Premiação: não houve.

Mais alguns registros

Saulo (esq.), Victor, eu, Robertson, Almir, Garito e Kelton.
Vizinha Denise Silva.
Mestre Quariguasi.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *